Já faz um tempo que o BNDES realizou a contratação do consórcio Postar com o objetivo de efetuar as análises e estudos necessários sobre a privatização dos correios, e recentemente o banco informou que por hora ainda não foi definido se a indicação será de realizar a venda total ou à iniciativa privada.

De acordo com o BNDES, a equipe ainda se encontra na primeira fase (estudos técnicos) e foi afirmado que “ainda não é certo que os Correios serão privatizados“, pois segundo o BNDES, está faltando encontrar uma alternativa viável para o modelo do setor postal atual. Além destas declarações ainda foi dito que existem outras formas de desestatização além da privatização e também outras maneiras ao invés da venda total.

Vale lembrar que em Setembro deste ano ocorreu o encerramento de uma greve dos Correios, está que teve este desfecho após uma decisão judicial, desde então, conforme afirmado pelos funcionários da empresa, o principal foco se tornou a oposição à privatização.

O cronograma de privatização continua sem uma definição, segundo o BNDES os estudos estão em fase primária, e possuem a meta de finalização até dezembro de 2020. Também é conhecido que existem mais duas fases que compõem a fase 1 (estudos para modernização).

Como dito anteriormente, estes estudos estão sendo realizados em conjunto com um consórcio, contratado em agosto de 2020 por R$ 7,89 milhões este é composto por algumas das melhores empresas de consultoria do Brasil, sendo elas: Accenture, Meyer, Sendacz, Opice e Falcão Advogados.

Por fim, o BNDES relatou que esta usando o modelo de operação de outros países (EUA, França, Alemanha, Japão, Uruguai e Canadá) para encontrar a melhor solução para o setor postal do Brasil, este que é considerado um país continental e por este motivo é de suma importância realizar os estudos da melhor forma possível, uma vez que o objetivo é firmar parcerias que contribuam com investimentos para o setor.